Vacinação por idade depende da conclusão do grupo de professores e das comorbidades, diz chefe do PNI


Municípios terão autonomia para vacinar pessoas sem comorbidades depois que concluírem imunização dos docentes e das pessoas com doenças preexistentes, mas precisarão, paralelamente, atender outros grupos prioritários já previstos na lista, como forças de segurança, metroviários e outros. Vacinação contra Covid-19 no DF
TV Globo / Reprodução
A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fontana, afirmou nesta sexta-feira (28) que a vacinação contra Covid-19 de pessoas fora dos grupos prioritários depende que cada município conclua o atendimento das pessoas com comorbidades e ainda dos professores. Nesta sexta-feira (28), o Ministério da Saúde determinou uma ordem para vacinação dos docentes no país.
CoronaVac e Pfizer evitaram mortes e casos de Covid no Uruguai, diz Ministério da Saúde
Nova regra permitirá distribuir vacina da Pfizer ao país todo
“Se esgotar essas possibilidades (comorbidades e professores), pode abrir (por idade), é uma avaliação local”, explicou Francieli Fontana.
A coordenadora do PNI ressaltou, porém, que o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19 (PNO) inclui outros profissionais, como forças de segurança, metroviários e outros (veja lista abaixo), e que esses trabalhadores deverão ser vacinados em paralelo à uma eventual abertura para a população em geral por idade.
“Nós temos uma continuidade no PNO, tem outros segmentos que estão depois dos trabalhadores da educação e nós vamos, em paralelo, abrir por faixa etária”, explicou Francieli.
Segundo a coordenadora do PNI, a mudança no plano ocorreu porque alguns estados relataram ter demanda reduzida para alguns dos grupos prioritários.
“A gente não pode deixar vacina estocada, a gente resolveu flexibilizar para acelerar a vacinação. Essa demanda reduzida pode estar relacionada à superestimativa principalmente do grupo de comorbidades. Não existe um número exato (das pessoas com comorbidades), existe uma margem de erro”, explicou Franciele.
Conforme a nota técnica do Ministério da Saúde, entre os docentes, os professores de creches e pré-escolas deverão ser os primeiros da fila, e os da educação superior, os últimos.
Ordem da vacinação dos trabalhadores da educação
Creches
Pré-escolas
Ensino fundamental
Ensino médio
Ensino profissionalizante
Educação de jovens e adultos (EJA)
Ensino superior (grupo prioritário nº 19)
A assessoria do ministério informou ao G1, serão incluídos todos os profissionais que trabalham na educação, não somente professores – como os da faxina, portaria e manutenção.
Vacinação por idade sem doenças preexistentes
Para as pessoas fora dos grupos prioritários com idade entre 18 e 59 anos, a vacinação deverá ocorrer em ordem decrescente de idade, ou seja: primeiro as mais velhas, depois as mais novas.
A imunização por idade deve ser feita ao mesmo tempo em que ocorre a vacinação dos grupos prioritários listados após os professores. Os profissionais da educação estão no 18º e no 19º grupos prioritários da imunização, conforme a edição mais recente do Plano Nacional de Operacionalização (PNO) da vacinação contra a Covid-19.
VÍDEO mostra venda de atestados para furar fila da vacina
Relatos de atestados falsos proliferam, mas não geram denúncias oficiais

Veja como fica a ordem geral de vacinação
O documento diz que as doses serão enviadas da seguinte forma:
Parte das doses será destinada aos grupos 14 a 17 do PNO, cuja vacinação já está ocorrendo:
grupo 14: pessoas com comorbidades e gestantes e puérperas com comorbidades;
grupo 15: pessoas com deficiência permanente (18 a 59 anos) sem cadastro no BPC;
grupo 16: pessoas em situação de rua (18 a 59 anos);
grupo 17: funcionários do sistema de privação de liberdade e população privada de liberdade.
Conforme a determinação da nota, parte das doses será também destinada também aos trabalhadores de educação, que serão imunizados na ordem da lista mais acima. Os docentes já figuravam nos grupos 18 e 19 do PNO.
Depois que os professores forem vacinados, as pessoas de 18 a 59 anos que não se encaixam em nenhum grupo prioritário poderão receber a vacina. A vacinação desse grupo será feita ao mesmo tempo em que deve ser realizada a dos grupos prioritários abaixo:
grupo 20: forças de segurança e salvamento e Forças Armadas (na 11ª etapa da Campanha iniciou-se a vacinação escalonada desses trabalhadores, restrita aos profissionais envolvidos nas ações de combate à Covid-19);
grupo 21: trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros
grupo 22: trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário
grupo 23: trabalhadores de transporte aéreo
grupo 24: trabalhadores de transporte aquaviário
grupo 25: caminhoneiros
grupo 26: trabalhadores portuários
grupo 27: trabalhadores industriais
grupo 28: trabalhadores da limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos
Autonomia de estados e municípios
A nota ressalta, ainda, que “a estratégia organizacional das ações de vacinação é de responsabilidade das três esferas de gestão do SUS”. A vacinação em paralelo de grupos prioritários e não prioritários, por idade decrescente, já está ocorrendo em algumas cidades e estados do país:
Em Salvador, catadores de materiais recicláveis e médicos veterinários começaram a ser habilitados para vacinação nesta sexta (28). Na quinta (27), começaram a ser vacinadas as pessoas com 56 anos nascidas entre 28 de maio e 28 de julho de 1964.
Em Aracaju, a prefeitura anunciou na quinta (27) que começaria a vacinação de pessoas com 59 anos e sem comorbidades.
Também na quinta-feira (27), Pernambuco ampliou a vacinação para pessoas a partir de 59 anos e para quem trabalha em ônibus, metrô, escolas, presídios e outras profissões. Em Recife, a imunização começou para pessoas com 59 anos, trabalhadores da educação e do transporte público. O mesmo ocorreu em Jaboatão (PE). A vacinação também será ampliada a partir deste sábado (29) em Petrolina (PE).
Em Maceió, pessoas de 58 anos sem comorbidades poderão se vacinar a partir deste sábado (29).
O Piauí anunciou que vai vacinar profissionais da Educação de 55 a 59 anos em junho. O governo de Minas Gerais também afirmou que espera vacinar no mês que vem pessoas sem comorbidades.
A prefeitura de Natal afirmou que vai começar a imunização de pessoas com 59 anos sem comorbidades a partir da próxima remessa de vacinas.
Já São Paulo anunciou o início da vacinação de pessoas de 55 a 59 anos sem comorbidades e de professores para julho. Em agosto será a vez das pessoas de 45 a 54 anos sem comorbidades.
Também há casos de inclusão de grupos não previstos entre os prioritários no Plano Nacional de Imunização (PNI) – como as grávidas e puérperas sem comorbidade – no Rio Grande do Norte e em Guarapuava (PR).