Unicamp 2021: prova da 1ª fase para candidatos de exatas e humanas tem pandemia, racismo nos EUA, queimadas e meme

Candidatos durante 1ª fase do vestibular 2021 da Unicamp — Foto: Bárbara Brambila / G1 1 de 5
Candidatos durante 1ª fase do vestibular 2021 da Unicamp — Foto: Bárbara Brambila / G1

Candidatos durante 1ª fase do vestibular 2021 da Unicamp — Foto: Bárbara Brambila / G1

A Unicamp iniciou a 1ª fase do vestibular 2021, nesta quarta-feira (6), com uma prova que abordou, segundo relatos de estudantes ouvidos pelo G1, conteúdos do ensino médio a partir de enunciados sobre temas como pandemia do novo coronavírus, racismo nos Estados Unidos, queimadas e até um meme para brincar sobre terraplanismo. A universidade oferece 3.237 vagas em 69 cursos.

Os candidatos também destacaram que o exame focou em conteúdos avaliados como mais básicos, conforme havia previsto a comissão organizadora (Comvest) por meio de mudanças na estrutura da prova diante da crise sanitária – redução de questões e na quantidade de obras literárias obrigatórias.

Temas abordados

  • Pandemia de forma multidisciplinar
  • Protestos nos EUA contra racismo e derrubada de estátuas
  • Machismo
  • Obra ‘Sobrevivendo no Inferno’, do grupo Racionais Mc’s;
  • Desigualdades de renda, gênero e linguagem
  • Linguagem de internet “Greengo Dictionary” e um meme sobre terraplanismo em rede social
  • Dengue
  • Desmatamento e queimadas
  • Poema “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Camões
  • Caso da Cervejaria Backer

Nesta tarde, eram esperados pela universidade 34.024 candidatos inscritos em cursos das áreas de ciências exatas/tecnológicas e ciências humanas/artes. O exame com 72 questões teve início às 13h e, embora a duração seja de quatro horas, parte dos candidatos começou a deixar as salas por volta das 15h05, após término do período mínimo de duas horas para permanência na avaliação.

“O assunto que mais focaram foi a pandemia mesmo, teve bastante questões”, falou o candidato Lucas Brancalhone de Almeida Cavalcante, de 18 anos, que busca uma vaga no curso de ciência da computação e fez o exame no campus I da PUC. Para ele, o nervosismo foi o principal adversário.

O vestibulando Lucas Brancalhone de Almeida Cavalcante, no campus I da PUC — Foto: Bárbara Brambila / G1 2 de 5
O vestibulando Lucas Brancalhone de Almeida Cavalcante, no campus I da PUC — Foto: Bárbara Brambila / G1

O vestibulando Lucas Brancalhone de Almeida Cavalcante, no campus I da PUC — Foto: Bárbara Brambila / G1

Gabriela Silveira Borges, de 18 anos, é candidata ao curso de arquitetura e urbanismo. Ela contou à reportagem que a prova abordou temas como maternidade e desigualdade de gênero, mas considerou que a banca poderia ter trabalhado no exame assuntos como o mercado de trabalho.

“Eu tive dificuldade em exatas, principalmente em física. Humanas tive mais facilidade […] Eu acho que tornou o assunto [desigualdade] muito superficial, a questão da mulher abrange muito mais”, falou ao considerar que o tempo garantido pela universidade aos candidatos para realizar a prova foi suficiente.

A vestibulanda Gabriela Silveira Borges, no campus I da PUC — Foto: Bárbara Brambila / G1 3 de 5
A vestibulanda Gabriela Silveira Borges, no campus I da PUC — Foto: Bárbara Brambila / G1

A vestibulanda Gabriela Silveira Borges, no campus I da PUC — Foto: Bárbara Brambila / G1

Com objetivo de cursar artes visuais na Unicamp, o estudante Vinicius Hasse Silva, de 19 anos, destacou as perguntas testes acerca da crise sanitária nas disciplinas de biologia e geografia, além de protestos contra o racismo nos Estados Unidos, no ano passado.

“Deram exemplos dos protestos que tiveram nos EUA em julho […] que as pessoas estavam derrubando estátuas de Cristóvão Colombo, mais na disciplina de história”, frisou. O candidato fez o exame no Colégio Liceu Salesiano.

Vinicius Hasse Silva, de 19 anos — Foto: Rafael Smaira/G1 4 de 5
Vinicius Hasse Silva, de 19 anos — Foto: Rafael Smaira/G1

Vinicius Hasse Silva, de 19 anos — Foto: Rafael Smaira/G1

Candidata ao curso de administração, Luísa Nicolucci, de 18 anos, lembrou que o exame também passou por outros assuntos que preocupam a sociedade nas áreas da saúde e meio ambiente.

“Apareceu [questão] sobre dengue, que ainda está com os índices muito elevados. Abordando sobre questão de transmissão e como combater. Apareceu sobre desmatamento […] acho que sobre queimada caíram duas questões, e desmatamento duas questões”, ressaltou a jovem.

Luísa Nicolucci, 18 anos, mora em Campinas e busca uma vaga em administração na Unicamp — Foto: Rafael Smaira/G1 5 de 5
Luísa Nicolucci, 18 anos, mora em Campinas e busca uma vaga em administração na Unicamp — Foto: Rafael Smaira/G1

Luísa Nicolucci, 18 anos, mora em Campinas e busca uma vaga em administração na Unicamp — Foto: Rafael Smaira/G1

O estudante Gustavo de Castro Surita, 20 anos, cursa ciências sociais na universidade e busca uma oportunidade em música. Ele frisou a abordagem da obra “Sobrevivendo no Inferno”, do grupo Racionais Mc’s, a derrubada de uma estátua de Cristóvão Colombo, e o papel do rap na crítica social.

“Teve essa questão da memória, na parte de história […] e na questão sociocultural teve bastante coisa atual”, falou o candidato. Para o jovem, a universidade fez com que os candidatos se sentissem seguros com o esquema organizado para evitar a transmissão da Covid-19 – veja abaixo detalhes.

O diretor da Comvest, José Alves de Freitas Neto, diz que a prova cumpriu a previsão de trabalhar temas clássicos do ensino médio que perpassam as ciências exatas, as humanidades e as linguagens.

“Em toda a prova houve relação com temas do cotidiano, importância das ciências na vida das pessoas e a preocupação com os direitos humanos e as questões relacionadas às diversas formas de desigualdade.”

Dois dias de 1ª fase

Nesta edição, a Unicamp dividiu a 1ª fase do processo seletivo em dois dias com objetivo de evitar aglomerações. Por isso, os 43.631 candidatos dos cursos das áreas de ciências biológicas/saúde serão avaliados nesta quinta-feira. Ao todo, são oferecidas 3.237 vagas em 69 cursos de graduação.

Em cada dia, a prova é composta pelas seguintes questões:

  • 12 de língua portuguesa e literatura;
  • 12 de matemática;
  • 8 de cada disciplina: biologia, física, geografia/sociologia, história/filosofia, inglês e química.

O total de inscritos foi de 77,6 mil, incluindo recorde de estudantes oriundos da rede pública.

Esquema especial

A Unicamp preparou um esquema especial para aplicar as provas da 1ª fase do vestibular 2021, com propósito de atender às regras de biossegurança contra o novo coronavírus. Haverá uso recorde de salas para as avaliações e foram feitas compras de 2 mil litros de álcool em gel e de 25 mil máscaras de proteção para os fiscais e profissionais de apoio na aplicação do exame.

Conteúdos

Em virtude da pandemia, a Unicamp dividiu a logística em dois dias para reduzir o risco de transmissão da doença. Além disso, foi definida redução na quantidade de questões testes – de 90 para 72, com tempo máximo de quatro horas, ao invés das cinco estipuladas em anos anteriores.

A lista de livros obrigatórios também foi alterada e passou de 12 para sete, com objetivo de garantir que os candidatos pudessem acessar todos os títulos em meio à crise sanitária para estudar.

Lista de obras literárias

  • Sonetos escolhidos, de Camões;
  • Sobrevivendo no Inferno, do grupo Racionais Mc’s;
  • O Espelho, de Machado de Assis;
  • O Marinheiro, de Fernando Pessoa;
  • A Falência, de Júlia Lopes de Almeida;
  • O Ateneu, de Raul Pompeia;
  • Sermões, de Antonio Vieira.

Foram excluídas desta edição as seguintes obras literárias: A teus pés; O seminário dos ratos; História do cerco de Lisboa; Quarto de despejo; A cabra vadia.

Logística

As provas ocorrem em 37 cidades, entre elas, 32 de São Paulo e cinco capitais de outros estados.

São Paulo

  • Araçatuba, Barueri, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Fernandópolis, Franca, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Lorena, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santa Bárbara D’Oeste, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos.

Outros estados

  • Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Fortaleza (CE) e Salvador (BA).

Cursos mais disputados

Neste ano, os dez cursos mais procurados pelos candidatos são: medicina, arquitetura e urbanismo; ciências biológicas; comunicação social-midialogia; ciência da computação; engenharia da computação; farmácia; história; ciências econômicas e enfermagem.

O total de vagas nesta edição inclui as 639 oportunidades que estavam previstas inicialmente no edital Enem-Unicamp, que deixou de ser oferecido para ingresso no próximo ano por causa do “calendário incompatível” com o cronograma definido pelo Ministério da Educação (MEC).

Calendário Vestibular Unicamp 2021

  • 1ª fase: 6 e 7 de janeiro
  • Divulgação dos aprovados na 1ª fase: 29 de janeiro
  • 2ª fase: 7 e 8 de fevereiro
  • Provas de habilidades específicas (exceto música): 11 e 12 de fevereiro
  • Divulgação da primeira chamada: 10 de março
  • Comissão de averiguação virtual dos convocados cotas étnico-raciais da primeira chamada/Solicitação e divulgação do resultado de recurso dos convocados em primeira chamada de cotas étnico-raciais: 11 de março
  • Matrícula presencial da primeira chamada, nas unidades de ensino: 15 de março
  • Início das aulas: 15 de março
  • Confira calendário completo

* Sob supervisão de Arthur Menicucci e Fernando Pacífico.