Ele não quis dizer que participará da elaboração do Enem, diz presidente do Inep sobre ministro pedir acesso prévio às questões da prova


Danilo Dupas Ribeiro comentou em audiência da Câmara dos Deputados a fala do ministro Milton Ribeiro sobre intenção de quebrar sigilo da prova para, segundo ele, evitar ‘perguntas subjetivas e de cunho ideológico’. O presidente do Inep, Danilo Dupas Ribeiro, em audiência da Câmara dos Deputados
Reprodução/TV Câmara
O presidente do Inep, Danilo Dupas Ribeiro, declarou à Comissão de Educação da Câmara dos Deputados na manhã desta segunda (7) que o ministro da Educação “de forma alguma disse que participará da elaboração” do conteúdo do próximo Enem. Ele comentou uma entrevista dada recentemente em que Milton Ribeiro manifesta desejo de quebrar o sigilo da prova para ter acesso prévio ao exame e, assim, segundo ele, evitar “perguntas subjetivas e de cunho ideológico”.
“Ele expôs um desejo. Um desejo de um líder máximo do Ministério da Educação em ter conhecimento prévio da prova. E também durante a fala ele deixou claro que a equipe técnica irá analisar sobre essa viabilidade”, afirmou Dupas Ribeiro, que citou uma preocupação “técnica e não ideológica” do ministro.
“A influência não é ideológica, é para resguardar que a prova tenha 100% de técnico. Como líder de um ministério é um desejo dele. Agora é a equipe técnica que vai avaliar”, disse o presidente do Inep.
Em entrevista na última quinta à CNN Brasil, Milton Ribeiro criticou questões de edições anteriores do Enem e citou perguntas sobre a diferença salarial entre os jogadores Neymar e Marta e outra que aborda dialeto de gays e travestis.
“Está na hora de a gente dar uma reviravolta nessas questões do Enem. Porque os alunos estudam e são surpreendidos com questões em termos de avaliação que nada tem a ver com o conhecimento necessário para ele ter acesso ao ensino superior público. Então creio que alguns tipos de temas são dispensáveis”, disse o ministro, que afirmou ser um desejo dele o acesso prévio ao conteúdo da prova e não do presidente Jair Bolsonaro.
Saiba mais: Brasil poderia ‘lucrar’ R$ 118 por aluno: economista detalha o estudo sobre alfabetização que o Inep mandou suspender
Leia também: Ex-coordenadores de Pacto pela Alfabetização e servidores do Inep criticam ‘censura’ a estudo com impactos positivos da política
O presidente do Inep participou de uma audiência pública extraordinária na Comissão de Educação da Câmara para debater as mudanças que ocorrem dentro do Inep, a autarquia do Ministério da Educação (MEC), responsável por pesquisas educacionais e a realização do Enem. A audiência foi convocada pelos deputados Idilvan Alencar (PDT-CE) e Rosa Neide (PT-MT).
Além de Dupas Ribeiro, participaram os ex-presidentes da autarquia Maria Inês Fini, Reynaldo Fernandes, Francisco Soares e Maria Helena Guimarães de Castro – que atualmente é presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE)
Saiba mais em Educação