Deputado propõe extinção da Uerj, mas Assembleia descarta: 'Enquanto eu for presidente, não vota'


André Ceciliano (PT), presidente da Casa, exaltou a universidade e disse que proposta é inconstitucional. Candidatos ao vestibular da Uerj em 2019 chegam para realizar a prova do ENEM
Narayanna Borges/GloboNews
Um projeto de lei que pede a extinção da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) foi protocolado na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A proposta causou polêmica, mas foi descartada pelo presidente da Casa, André Ceciliano (PT), nesta quarta-feira (26).
“Enquanto eu for presidente, não vota. É inconstitucional e isso seria atribuição do Poder Executivo”, diz Ceciliano, que exaltou a Uerj.
O projeto foi apresentado pelo deputado bolsonarista Anderson Moraes (PSL). Em julho do ano passado, ele teve contas vinculadas ao seu gabinete removidas pelo Facebook por criar perfis falsos.
Recentemente, o deputado obteve na Justiça uma decisão judicial que chegou a anular o decreto da Prefeitura do Rio que impunha medidas restritivas em meio à pandemia de Covid-19.
Presidente da Comissão de Educação da Alerj, o deputado estadual Flávio Serafini celebrou a decisão da presidência.
“A proposta de extinguir a Uerj por meio de um projeto de lei, além de ser um surto autoritário é também absurda, pois seria um retrocesso para o estado e também inconstitucional já que a existência da UERJ é prevista no artigo 309 da constituição do Estado. Este anúncio é mais uma demonstração do que o projeto bolsonarista gostaria de fazer com o Rio e com as nossas universidades do que uma ameaça real.”